Artigo original
Prevalência da exposição ao fumo ambiental do tabaco em casa e do tabagismo na população Portuguesa – o estudo INAsma
Environmental tobacco smoke exposure at home and smoking prevalence in the general Portuguese population - The INAsma study
A.M. Pereiraa,b,c,, , M. Morais-Almeidab,d,e, A. Sá e Sousab, T. Jacintob,c,f, L.F. Azevedob,f, C. Robalo Cordeirog,h, A. Bugalho de Almeidad,i,j, J.A. Fonsecaa,b,c,f
a Serviço de Imunoalergologia, Centro Hospitalar São João, Porto, Portugal
b Centro de Investigação em Tecnologias e Sistemas de Informação em Saúde, Universidade do Porto, Porto, Portugal
c Centro de Imunoalergologia CUF (Porto), Porto, Portugal
d Centro de Imunoalergologia CUF (Lisboa), Lisboa, Portugal
e Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica, Lisboa, Portugal
f Departamento de Ciências da Informação e da Decisão em Saúde, Faculdade de Medicina, Universidade do Porto, Porto, Portugal
g Sociedade Portuguesa de Pneumologia, Lisboa, Portugal
h Departamento de Pneumologia, Centro Hospitalar Universitário de Coimbra Coimbra, Coimbra, Portugal
i Clínica Universitária de Pneumologia, Faculdade de Medicina de Lisboa, Lisboa, Portugal
j Comissão de Acompanhamento do Programa Nacional de Controlo da Asma, Lisboa, Portugal
Recebido 17 Janeiro 2012, Aceitaram 03 Janeiro 2013
Resumo
Introdução

Neste estudo, pretendemos: 1) estimar a prevalência, na população portuguesa, da exposição ao fumo ambiental do tabaco em casa; 2) estimar a prevalência de tabagismo em Portugal; 3) identificar as características sociais e pessoais associadas ao tabagismo ou à exposição ao fumo ambiental do tabaco.

Métodos

Estudo transversal consistindo na aplicação, à população, a nível nacional, de questionário telefónico. Completaram a entrevista 6 003 indivíduos. A exposição ao fumo ambiental do tabaco em casa foi definida como a exposição, em casa, ao fumo do tabaco de, pelo menos, um fumador atual. Por fumador entendeu-se um indivíduo com ≥ 15 anos que fumou, pelo menos, um cigarro por dia durante um período de um ano; um fumador atual fumou no último mês.

Resultados

Referiram exposição ao fumo ambiental do tabaco em casa 26,6% dos participantes (IC 95%: 25,5-27,7). Viver num agregado familiar constituído por ≥ 4 pessoas (OR=2,31; IC 95%: [1,81-2,96]), ser fumador atual (OR=7,29; IC 95%: [5,74-9,26]) ou ter asma atual (OR=2,06; IC 95%: [1,45-2,94]) associaram-se positivamente à exposição ao fumo ambiental do tabaco. Na análise estratificada por sexo, o efeito da asma atual manteve-se apenas nas mulheres.

Atualmente, 19,0% (IC 95%: 18,0-20,0) da população portuguesa é fumadora e 17,2% (IC 95%: 16,2-18,2) são ex-fumadores. A prevalência de fumadores atuais é mais elevada nos homens do que nas mulheres (26,5 versus 12,2%, p<0,001). A probabilidade de ser um fumador atual foi maior nos homens, nas pessoas mais instruídas e nos indivíduos expostos, em casa, ao fumo ambiental do tabaco. Na análise estratificada por sexo, o efeito da escolaridade manteve-se apenas nas mulheres.

Conclusão

A exposição ao fumo ambiental do tabaco em casa foi mais elevada do que a anteriormente publicada. Crianças/adolescentes e doentes com asma podem ter um risco de exposição ambiental mais elevado. Este estudo apoia uma tendência decrescente da prevalência de tabagismo nos homens portugueses, mas uma tendência crescente nas mulheres.

Abstract
Background

We aimed to: 1) estimate the prevalence of exposure to environmental tobacco smoke (ETS) at home in the Portuguese population; 2) estimate tobacco smoking prevalence in Portugal; 3) identify social and personal characteristics associated with smoking or exposure to ETS.

Methods

Nationwide, cross-sectional, population-based telephone survey. Overall, 6003 individuals completed the interview. ETS exposure at home was defined as exposure to at least one current smoker at home. A smoker was defined as someone with 15 years or older, smoking at least 1 cigarette per day during a year; a current smoker (CS) smoked in the last month.

Results

Exposure to ETS at home was reported by 26.6% (95%CI 25.5-27.7) of the participants. Living in households with ≥4 persons (OR=2.31; 95%CI[1.81-2.96]), being a current smoker (OR=7.29; 95%CI[5.74-9.26]) or having current asthma (OR=2.06; 95%CI[1.45-2.94]) were factors positively associated with ETS exposure. When analyzed by gender, the effect of current asthma was only relevant to females.

Currently 19.0% (95%CI 18.0-20.0) of the Portuguese population smokes tobacco and 17.2% (95%CI 16.2-18.2) are ex-smokers. CS prevalence is higher in males than females (26.5%versus 12.2%, p<0,001). The odds of being a CS were higher for males, the more educated, and those exposed to ETS at home. When analyzed by gender, school education only affected females.

Conclusion

Exposure to ETS at home was higher than previously reported. Children/adolescents and asthma patients may have a higher risk of exposure. This report endorses a decreasing trend in the prevalence of tobacco smoking in Portuguese males, but a tendency to increase in females.

Palavras-chave
Fumo ambiental do tabaco, Tabagismo, Asma, Doença cardíaca, Inquérito de saúde
Keywords
Environmental tobacco smoke, Smoking, Asthma, Heart disease, Health survey