Artigo original
Escala de sonolência de Epworth na síndroma de apneia obstrutiva do sono: uma subjetividade subestimada
Epworth Sleepiness Scale in obstructive sleep apnea syndrome − an underestimated subjective scale
C. Guimarãesa,, , M.V. Martinsa, L. Vaz Rodriguesa, F. Teixeirab, J. Moutinho dos Santosc
a Serviço de Pneumologia, Centro Hospitalar de Coimbra, EPE, Coimbra, Portugal
b Serviço de Pneumologia e Centro de Medicina do Sono, Centro Hospitalar de Coimbra, EPE, Coimbra, Portugal
c Centro de Medicina do Sono, Centro Hospitalar de Coimbra, EPE, Coimbra, Portugal
Recebido 22 Novembro 2011, Aceitaram 30 Abril 2012
Resumo

A hipersonolência diurna é uma das manifestações mais relevantes da síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS) e pode ser avaliada quer por testes subjetivos quer por testes objetivos. A escala de sonolência de Epworth (ESE) é um instrumento simples e validado que permite avaliar a sonolência diurna no contexto clínico de distúrbios do sono. No entanto, o seu caráter subjetivo pode condicionar a exata expressão do verdadeiro grau de sonolência. O uso clínico da ESE é demonstrado neste trabalho, mostrando que, no mesmo doente em momentos diferentes o score da ESE é díspar e como este score pode estar ou não relacionado em determinadas variáveis.

Assim, comparamos o grau de sonolência basal com o grau de sonolência na mesma situação, mas avaliado retrospetivamente após tratamento com pressão positiva contínua das vias aéreas (Automatic Positive Airway Pressure – APAP).

Realizamos um estudo prospetivo que incluiu 66 doentes observados na consulta de Patologia do Sono em que, após estudo poligráfico do sono ou cardiorrespiratório domiciliário, foi feito o diagnóstico de SAOS. Os doentes apresentavam uma idade média de 53,3 anos, sendo a maioria do sexo masculino (88%, n=58). Os doentes preencheram o questionário da ESE no dia da primeira consulta (pré APAP) e posteriormente, na consulta de seguimento, preencheram novamente a ESE referente ao período pós-tratamento com APAP e pediu-se, retrospetivamente, nova quantificação da ESE inicial. A média do score da ESE basal foi de 11,8, a retrospetiva de 15,4, com uma diferença média de 3,55 (p<0,001 t-Test) e após terapêutica com APAP 7,4. Não houve correlação entre a diferença do score da ESE (basal retrospetiva) com a média de tempo de uso diário do APAP (horas), com o índice de apneia-hipopneia (IAH), com a SatO2 mínima registada no estudo do sono, com a perceção do tempo de evolução da doença, com o índice de massa corporal (IMC) nem com a idade.

Estes resultados mostram que o grau de sonolência subjetiva estimado antes do tratamento é frequentemente subavaliado pelos doentes com SAOS.

Abstract

Excessive daytime sleepiness is a major symptom in obstructive sleep apnea syndrome (OSAS) and can be evaluated using both subjective and objective methods. The Epworth Sleepiness Scale (ESS) is a simple and validated questionnaire for assessing subjective daytime sleepiness in the context of sleep disorders. Although its subjective character may limit the accurate expression of daytime sleepiness, the clinical benefit of sequential ESS is clear and demonstrates how ESS scores evolve in individual patients and how these scores may relate to various parameters.

In this context we compared the severity of daytime sleepiness reported at baseline visit with severity of baseline sleepiness assessed, retrospectively, after treatment with automatic positive airway pressure (APAP).

We conducted a prospective study that included 66 patients evaluated in a sleep clinic diagnosed with OSAS. The diagnosis was confirmed by in-laboratory or portable sleep studies. Their mean age was 53.3 years and the majority were men (88%, n=58). The ESS was answered during the first interview (baseline daytime sleepiness). During follow-up visits, after APAP treatment, the patient was asked to assess baseline sleepiness, retrospectively, as well as post-treatment sleepiness. The mean baseline ESS score was 11.8, mean retrospective baseline ESS 15.4, with a mean difference of 3.55 (p<0.001 t-Test) and post-treatment ESS 7.3. There was no significant correlation between the difference in ESS score (baseline - retrospective baseline) with the average daily (hours) use of APAP, the apnea-hypopnea index (AHI), the minimal recorded SatO2, disease duration, body mass index (BMI) and age.

Our findings confirm that the severity of subjective sleepiness reported before treatment with positive airway pressure is often underestimated by patients with OSAS.

Palavras-chave
Escala de sonolência de Epworth, Síndrome da apneia obstrutiva do sono, Sonolência subjetiva
Keywords
Epworth Sleepiness Scale, Obstructive Sleep Apnea Syndrome, Subjective sleepiness