Original Article
End-of-life care in COPD: A survey carried out with Portuguese Pulmonologists
Assistência a doentes terminais com DPOC: um inquérito realizado a Pneumologistas Portugueses
C. Gaspara,, , S. Alfarrobaa, L. Teloa, C. Gomesa, C. Bárbaraa,b
a Serviço de Pneumologia do Centro Hospitalar Lisboa Norte, EPE - Hospital Pulido Valente, Lisbon, Portugal
b Centro de Estudos Doenças Crónicas (CEDOC), Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, Lisbon, Portugal
Recebido 29 Outubro 2013, Aceitaram 11 Janeiro 2014
Abstract
Introduction

End-of-life (EoL) care is a major component in the management of patients with advanced COPD. Patient-physician communication is essential in this process.

Aim

To evaluate the practice of Portuguese Pulmonologists in EoL communication and palliative care in COPD.

Methods

An on-line survey was sent to physicians affiliated to the Portuguese Pneumology Society.

Results

We obtained 136 answers from 464 eligible participants (29.3%). About half of the physicians reported that they have rarely introduced EoL discussions with their COPD patients (48.5%). Most had never/rarely suggested decision-making on the use of invasive mechanical ventilation (68.4%). Discussions were described as occurring mostly during/after a major exacerbation (53.7%). Only 37.5% of participants reported treating dyspnoea with opioids frequently/always. Only 9.6% stated that they never/rarely treated anxiety/depression. Most participants perceive the discussion of EoL issues as being difficult/very difficult (89.0%). The reasons most frequently given were feeling that patients were not prepared for this discussion (70.0%), fear of taking away a patient's hope (58.0%) and lack of training (51.0%).

Conclusion

Patient and medical staff EoL communication in COPD is still not good enough. Training in this area and the creation of formal protocols to initiate EoL have been identified as major factors for improvement.

Resumo
Introdução

Os cuidados terminais (EoL) são um componente importante do tratamento de doentes com doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) avançada. A comunicação entre o doente e o médico é fundamental neste processo.

Objetivo

Avaliar a prática dos pneumologistas portugueses na comunicação sobre o fim de vida e os cuidados paliativos na DPOC.

Métodos

Foi enviado um inquérito online para os médicos sócios da Sociedade Portuguesa de Pneumologia.

Resultados

Recebemos 136 respostas dos 464 participantes elegíveis (29,3%). Cerca de metade dos médicos indicaram que raramente iniciaram conversas sobre o fim de vida com os seus doentes com DPOC (48,5%). A maioria nunca/raramente sugeriram a toma de decisão sobre a utilização de ventilação mecânica invasiva (68,4%). As conversas foram descritas como ocorrendo, na sua maioria, durante/após uma exacerbação grave (53,7%). Apenas 37,5% dos participantes indicaram tratar a dispneia frequentemente/sempre com opiáceos. Apenas 9,6% indicaram que nunca/raramente trataram a ansiedade/depressão. A maioria dos participantes considerou a conversa sobre questões de fim de vida como sendo difícil/muito difícil (89,0%). Os motivos mais frequentemente indicados foram a sensação de que os doentes não estavam preparados para essa conversa (70,0%), medo de tirar a esperança aos doentes (58,0%) e falta de formação (51,0%).

Conclusão

A comunicação sobre o fim de vida entre o doente e os médicos na DPOC ainda não é suficientemente boa. A formação nesta área e a criação de protocolos formais para iniciar os cuidados em fim de vida foram identificados como fatores importantes a melhorar.

Keywords
COPD, Palliative care, End-of-life, Communication
Palavras-chave
DPOC, Cuidados paliativos, Fim de vida, Comunicação