Publicação breve
Adesão ao rastreio e tratamento da tuberculose em doentes infetados com o vírus da imunodeficiência humana
Tuberculosis screening and treatment compliance in human immunodeficiency virus patients
F. Viveirosa,, , M. Motab, P. Brincac, A. Carvalhoa,d, R. Duartea,d,e
a Serviço de Pneumologia, Centro Hospitalar de Gaia/Espinho, Vila Nova de Gaia, Portugal
b Serviço de Medicina Interna, Centro Hospitalar de Gaia/Espinho, Vila Nova de Gaia, Portugal
c Departamento de Economia, Universidade de Estocolmo, Estocolmo, Suécia
d Centro de Diagnóstico Pneumológico de Vila Nova de Gaia – ARS Norte, Vila Nova de Gaia, Portugal
e Departamento de Epidemiologia Clínica, Escola Médica de Medicina Preditiva e Saúde Pública, Faculdade de Medicina, Universidade do Porto, Porto, Portugal
Recebido 24 Novembro 2012, Aceitaram 06 Março 2013
Resumo

Este estudo teve por objetivo avaliar a adesão dos doentes VIH ao rastreio e tratamento da TB, identificando fatores determinantes para a não adesão.

Foram revistos os registos clínicos de todos os doentes infetados pelo VIH, observados pela primeira vez numa Unidade de Doenças Infeciosas Portuguesa entre 2007 e 2010 (152 doentes). O rastreio incluía: inquérito de sintomas, telerradiografia torácica e TST/IGRA. Em 2008, foi estabelecido um protocolo com um Centro Diagnóstico Pneumológico, que permitia aos doentes escolher o local para serem rastreados (descentralização).

O rastreio foi oferecido a todos os doentes, 69 (45,4%) aceitaram. Antes da implementação do protocolo de descentralização, de 78 doentes, 20 (25%) aceitaram ser rastreados. Após a descentralização, de 64, 49 doentes (76,6%) aderiram ao rastreio. A descentralização dos cuidados de saúde mostrou estar associada a uma maior adesão ao rastreio (p<0,001); enquanto ter uma doença definidora de sida (p=0,002) ou ter mais idade (p=0,04) foram associados a uma menor adesão ao rastreio.

O diagnóstico de TB infeção latente foi feito em 14 doentes e de TB ativa em 18; 14 casos de TB ativa foram diagnosticados posteriormente durante o seguimento em consulta hospitalar. Nos doentes com TB ativa estar em terapêutica HAART mostrou associação com a adesão ao tratamento da TB (p=0,03). Nesta população, a melhoria no acesso aos cuidados de saúde foi importante na aceitação do rastreio de tuberculose.

Abstract

This study aims to evaluate compliance of HIV patients to TB screening and treatment, identifying determinants for non-compliance.

We reviewed clinical records of all HIV infected patients first attended in a Portuguese-Infectious-Unit from 2007-2010 (152 patients). Screening included: symptom inquiry, chest x-ray, TST/IGRA. In 2008 a protocol was established with a TB outpatient clinic allowing patients to choose where to perform screening (decentralization).

All patients were offered screening, 69 (45.4%) accepted. Before decentralization, out of 78 patients, 20 (25%) accepted screening. After decentralization, out of 64 patients, 49 (76.6%) accepted screening. Decentralization was associated with higher levels of acceptance (p<0.001), having an AIDS-defining-disease (p=0.002) and being older (p=0.04) was associated with lower screening acceptance. LTBI was diagnosed in 14 and active-TB in 18 cases; 14 cases of active-TB were later diagnosed during hospital appointments. For active-TB, being on HAART was related with treatment adherence (p=0.03).

In this population, improving health care access was important for screening compliance.

Palavras-chave
Rastreio, Tuberculose, Adesão, População de risco, Vírus da imunodeficiência humana
Keywords
Tracing, Tuberculosis, Adherence, Risk population, Human immunodeficiency virus