Bloqueio aurículo-ventricular de alto grau induzido por angina de Prinzmetal

Resumo

Apresentamos o caso de uma mulher de 46 anos com episódios frequentes de dor precordial e síncope associados a elevação do segmento ST e períodos de bloqueio aurículo-ventricular de alto grau transitórios. A coronariogafia excluiu lesões significativas e a doente foi tratada com nitratos e antagonistas do cálcio. Verificou-se persistência da sintomatologia associada a períodos de bloqueio aurículo-ventricular sintomáticos, refratários a otimização terapêutica. Implantação de pacemaker DDD-R. Follow-up de 4 meses sem intercorrências.

Palavras-chave: Angina Prinzmetal. Angina vasospática. BAV alto grau. Pacemaker.

Texto completo

Caso clínico

Doente do sexo feminino, 46 anos, referenciada à consulta de cardiologia por episódios de dor precordial típica recorrente, sem relação com o esforço. Ocasionalmente, ocorrência de síncope durante os episódios. Como fatores de risco cardiovasculares apresentava dislipidémia e hábitos tabágicos (48 UMA). Pré-menopáusica.

Durante a consulta de cardiologia presenciou-se episódio de dor precordial idêntico ao descrito. Realizou eletrocardiogama (ECG) que mostrou ritmo sinusal com supradesnivelamento do segmento ST nas derivações inferiores (Figura 1A). Ocorreu normalização clínica e eletrocardiográfica 6 minutos após administração de 5mg de nitroglicerina sublingual (Figura 1B).

Figura 1. A) ECG durante episódio de dor pré-cordial. Observa-se supradesnivelamento ST nas derivações inferiores. B) ECG 6 minutos após NTG SL com normalização das alterações eletrocardiográficas.

A doente foi admitida na unidade de cuidados intensivos coronários para vigilância e cateterismo urgente. Analisaram-se os exames complementares de diagnóstico que a doente trazia para a consulta, nos quais se incluía: Holter 24 horas que mostrava ritmo base sinusal com períodos de bloqueio aurículo-ventricular (BAV) de 1.° grau e múltiplos períodos de BAV de alto grau (alguns assintomáticos), incluindo BAV completo, com pausas prolongadas na atividade ventricular, com duração máxima de 4,4s. Registaram-se múltiplos períodos com supradesnivelamento do segmento ST. Verificou-se concordância entre o padrão de elevação do segmento ST e...

Leia o conteúdo completo deste artigo

Já está registado?

 

Inscrever-se para a revista

Acesse todos os artigos da revista Revista Portuguesa de Saúde Pública, sem limitação.S

Filipa Ferreira a, , Lorette Cardona a, Bruno Valente a, João Abreu a, Eduardo Antunes a, Lurdes Ferreira a, José Alberto Oliveira a, Rui Ferreira a,

a Serviço de Cardiologia, Hospital de Santa Marta, Centro Hospitalar Lisboa Central, Lisboa, Portugal