Artigo original
Estudo da mutação do recetor do fator de crescimento epidérmico, durante 5 anos, numa população de doentes com cancro do pulmão de não pequenas células
Epidermal Growth Factor Recetor mutation study for 5 years, in a population of patients with non-small cell lung cancer
A.S. Castroa,, , B. Parentea,**, , I. Gonçalvesa, A. Antunesa, A. Barrosoa, S. Condea, S. Nevesa, J.C. Machadob
a Unidade de Pneumologia Oncológica, Serviço de Pneumologia, Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia-Espinho, Vila Nova de Gaia, Portugal
b Instituto de Patologia e Imunologia Molecular, Universidade do Porto, Porto, Portugal
Received 12 January 2012, Accepted 30 August 2012
Resumo
Introdução

Em 2006, a Unidade de Pneumologia Oncológica do Serviço de Pneumologia do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho iniciou a sequenciação da mutação do recetor do fator de crescimento epidérmico (EGFR) em doentes com CPNPC selecionados e desde 2010 realiza a sequenciação sistematicamente em todos os doentes, independentemente da histologia, hábitos tabágicos, idade ou sexo. O objetivo deste trabalho foi caracterizar o grupo de doentes que efetuou a sequenciação entre 2006-2010, determinar a frequência da mutação EGFR, avaliar as sobrevidas globais e após uso de inibidores da tirosina quinase (ITK), nos doentes que efetuaram esta terapêutica em 2.a e 3.a linha com conhecimento do estado da mutação do EGFR.

Métodos

Análise estatística descritiva dos doentes que efetuaram sequenciação EGFR em 2006-2010 e sobrevida mediana global nos doentes que efetuaefetuaram ITK em 2.a e 3.a linha. Registo do material disponível para análise e demora média de resultado do exame, de acordo com o material enviado.

Resultados

A sequenciação foi efetuada em 374 doentes, 71,1% sexo masculino, 67,1% não/ex-fumadores, 32,9% fumadores; 57,8% adenocarcinoma e 23,5% carcinoma epidermoide (CE). A mutação foi detetada em 49 doentes (13,1%). No total dos doentes estudados, a taxa de mutação foi de 9% no sexo masculino e 23% no sexo feminino. A sobrevida mediana global após o uso de erlotinib foi de 14 meses para os doentes com mutação positiva do EGFR versus 6 meses nos doentes não mutados (p = 0,003).

Conclusão

O nosso grupo teve uma taxa de mutação global de 13,1%, com predomínio no sexo feminino, não fumadores, histologia adenocarcinoma. Em doentes selecionados (2006/2009), a taxa de mutação foi de 16%; nos doentes não selecionados (2010) foi de 10,4%. Este estudo tem vindo a permitir um melhor conhecimento da taxa de mutação do EGFR na população portuguesa, bem como avaliar os resultados das sobrevidas dos doentes após uso de inibidores da tirosina quinase (ITK), efetuada em 2.a e 3.a linha com conhecimento prévio do estado da mutação do EGFR, tendo sido encontradas diferenças nas sobrevidas nos 2 grupos de doentes (mutados e não mutados) com significado estatístico.

A pesquisa mutação do EGFR deve ser efetuada em todos os doentes com CPNPC, dando possibilidade a um número considerável de doentes de poder efetuar um tratamento de 1.a linha com ITK (doentes mutados), bem como de poder usufruir de outros esquemas de quimioterapia, quando progredirem.

Abstract
Introduction

In 2006, the Vila Nova de Gaia/Espinho Hospital Centre Pulmonary Oncology Unit started performing EGFR (Epidermal Growth Factor Receptor) mutation sequencing in selected patients with NSCLC and systematically in all patients since 2010, regardless of histology, smoking habits, age or sex. The aim of this study was to characterize the group of patients that carried out the sequencing between 2006-2010, to determine EGFR mutation frequency, to evaluate the overall survival and the survival after the use of tyrosine kinase inhibitors (TKI), in patients who performed this therapy in second and third line, knowing the EGFR mutation status.

Methods

Descriptive statistical analysis of patients who did EGFR sequencing in 2006-2010 and of overall survival in patients treated with TKI as 2nd and 3rd line therapy. Record of the material available for analysis and average delay of exam results, according to the material submitted.

Results

The sequencing was performed in 374 patients, 71,1% males, 67,1% non/ex-smokers, 32,9% smokers, 57,8% adenocarcinoma and 23,5% squamous cell carcinoma (SCC). The mutation was detected in 49 patients (13,1%). In all studied patients, the mutation rate was 9% in males and 23% in females. Median overall survival after erlotinib use of was 14 months for patients with positive EGFR mutation versus 6 months in not mutated patients (p = 0.003).

Conclusion

Our group had an overall mutation rate of 13.1% with female, non-smokers, adenocarcinoma histology predominance. In selected patients (2006/2009), the mutation rate was 16%, in not selected patients (2010) the mutation rate was 10.4%. This study has permitted a better understanding of the EGFR mutation rate in the Portuguese population as welll as an evaluation of the patients survival after the use of of tyrosine kinase inhibitors, in second and third line therapy with previous knowledge of the EGFR mutational status. Statistical significant differences in survival were found in the two patient groups (EGFR mutated and non mutated).

The EGFR mutation research should be performed in all patients with NSCLC, giving the possibility to a considerable number of patients to perform a first line treatment with TKI (EGFR mutated patients) and the advantage of performing other chemotherapy schemes, when progression occurs.

Palavras-chave
Carcinoma pulmonar não pequenas células, Recetor do fator de crescimento epidérmico, Inibidores da tirosina quinase, Sobrevida
Keywords
Non Small Cell Lung Cancer, Epidermal Growth Factor Receptor, Tyrosine kinase inhibitor, Survival

Metrics

  • Impact Factor: 1.560(2016)
  • 5-years Impact Factor: 1,100
  • SCImago Journal Rank (SJR):0,29
  • Source Normalized Impact per Paper (SNIP):0,685